As disfunções estéticas e o mercado de trabalho

A pele de nosso rosto é muito mais sensível e exposta aos fatores externos do que a do restante do corpo. Por conta disso, é necessário um zelo maior e muito mais específico para garantir que ela esteja sempre saudável, bonita e livre de manchas e lesões.


A pele é um tecido cuja função principal é separar o meio interno do meio externo, sendo essa a principal diferença entre os outros sistemas, pois a pele encontra-se exposta a um ambiente extremamente agressivo. Essa agressão, muitas vezes, causa certas disfunções estéticas na pele.


As disfunções estéticas são diversas alterações com diferentes causas que podem estar presentes no corpo humano. Alguns exemplos de disfunção estética é a celulite, as estrias e a flacidez tissular e muscular. A acne, por exemplo, é um tipo de disfunção estética facial e pode ser prevenida e cuidada se você procurar um profissional gabaritado para isso.


Aproveitamos mais um fim de semana de módulo da pós-graduação em Saúde Estética Avançada do Instituto GPI para conversar com a professora Ivna Cardoso, biomédica esteta, máster em harmonização facial e coordenadora da nossa pós-graduação. Confira o que rolou no módulo sobre disfunções estéticas, envelhecimento cutâneo e as alterações dermatofisiológicas relacionada a estética:

Dra. Ivna Cardoso coordenadora da Pós-Graduação em Saúde Estética Avançada do Instituto GPI.


COMO TEM SIDO ESSE MÓDULO SOBRE DISFUNÇÕES? FALE UM POUCO MAIS SOBRE ESSAS DISFUNÇÕES ESTÉTICAS.


Estamos abordando as alterações dermato fisiológicas que são disfunções que o nosso organismo com o passar do tempo e dependendo dos hábitos de vida da pessoa, acaba apresentando algumas disfunções que irão mexer com a autoestima, que irão incomodar muito o indivíduo. Assim, ele acabará procurando um profissional da estética.


Este módulo é um módulo de avaliação, onde os alunos aprendem a diagnosticar uma disfunção estética, conduzir o paciente durante o tratamento que eles irão passar ao paciente, de acordo com a queixa do paciente. É um módulo básico e ao mesmo tempo de suma importância.

EM CASOS PRÁTICOS, COMO FUNCIONA ISSO?


A harmonização facial, por exemplo, quem tem linhas de expressão bem fortes vai procurar um profissional de estética avançada para melhorar aquela disfunção. Para atender esse paciente, o profissional precisa saber do que estamos falando aqui nas aulas.


VOCÊ ACOMPANHA OS ALUNOS E ANALISA A AVALIAÇÃO DELES NESTE MÓDULO. COMO TEM SIDO A DESEMPENHO DELES NESSAS AULAS PRÁTICAS?


Esse acompanhamento de cada dupla é um diferencial da Pós-Graduação em Saúde Estética Avançada. Nós já começamos colocando a prática no início da pós e isso é muito bom para eles.


Durante as aulas, tudo é muito dinâmico, pois compartilhamos da nossa rotina de consultórios. O objetivo é que todos eles se tornem excelentes profissionais. Eles têm participado muito, perguntado muito e isso nos mostra que o conteúdo aplicado está sendo absorvido.


É FUNDAMENTAL QUE PROFISSIONAIS DA SUA ÁREAS ESTEJAM ANTENADOS E SAIBAM USAR AS NOVAS TECNOLOGIAS, CERTO? COMO TEM SIDO ESSE AVANÇO TECNOLÓGICO NA ÁREA DA ESTÉTICA E COMO VOCÊS ESTÃO APLICANDO ESSA TECNOLOGIA AQUI NAS AULAS?


Com certeza, devemos sempre estar estudando. Mesmo após o fim da pós-graduação. Inclusive mencionei isso para eles durante esse módulo. Nosso mercado de estética é um dos que mais crescem, tanto em consumidores, quanto em profissionais capacitados porque existem muitos avanços tecnológicos e é nosso dever estar atualizado e saber operar essas tecnologias, seja a nível de aparelho ou a nível de produtos.


Aqui nas aulas temos praticado exatamente esse atendimento humano, utilizando das tecnologias disponíveis para oferecer os melhores diagnósticos e tratamentos lá fora. Estamos preparando bem os alunos para a realidade do mercado de trabalho.


É UM ESTUDO CONTÍNUO, ENTÃO?


Exatamente. Durante toda a vida do profissional de estética avançada, ele estará se aprimorando e estudando cada vez mais, buscando cursos livres, por exemplo, que, inclusive, nós oferecemos aqui. O profissional da estética deve estar em constante evolução junto com o mercado a que pertence.


No vídeo abaixo, assista a entrevista na íntegra sobre "As disfunções estéticas e o mercado de trabalho" Por Nehemias Lima - Jornalista.