Coloração de Gram e sua importância na Microbiologia Clínica

A Microbiologia Clínica é sem dúvidas uma das principais áreas de atuação para profissionais de laboratório das mais diversas formações. Sua importância no cenário atual de pandemia em decorrência de um vírus – o coronavírus ou Sars-Cov 2 – é também inegável, destacando a importância desta área de atuação para a saúde e sobrevivência humana.


Segundo a Bióloga Doutora em Microbiologia e Professora da Pós-Graduação em Microbiologia Clínica do Instituto GPI (Teresina-Piauí), Drª Josie Haydée L. Ferreira Paranaguai, a pandemia reforçou a importância do olhar atento à microbiologia, que é uma ciência diretamente relacionada com as principais áreas da saúde e com uma alta relevância de saúde pública. Segundo a professora Drª Josie Haydée, as doenças infecciosas ainda possuem um grande impacto para a saúde pública no que se refere à mortalidade e morbidade, tendo a pandemia reforçado a necessidade de estudos acerca do controle biológico em todo o mundo.


Uma das principais metodologias utilizadas em laboratórios de microbiologia em todo o mundo é a bacterioscopia, que consiste na visualização direta das estruturas bacterianas através de microscopia óptica. Essa visualização é possível graças a utilização de corantes que evidenciam e classificam as bactérias de acordo com características estruturais, como por exemplo, a Coloração de Gram.


Desenvolvida em 1884, pelo pesquisador Hans Christian Joachim Gram, a técnica de coloração que leva seu nome consiste na utilização de uma sequência de corantes em uma lâmina contendo bactérias previamente fixadas. Essa coloração permite a diferenciação de bactérias de acordo com a presença (Gram positivas) ou ausência/escassez (Gram negativas) da camada de peptídeoglicanos sob a membrana plasmática da bactéria.


O passo a passo da coloração é simples e pode ser observado na imagem abaixo. Ao final do processo, será possível observar bactérias coradas em roxo (Gram Positivas) e róseas (Gram Negativas). Além de classificar as bactérias através da estrutura da parede de peptídeoglicanos, pode-se também levar em consideração aspectos morfológicos e organizacionais das estruturas observadas.

Sua importância para a microbiologia clínica é incontestável, haja vista que na maioria dos laboratórios a coloração de Gram é o primeiro passo na classificação e identificação de amostras bacteriológicas, oriundas de materiais biológicos diversos como escarro, pús ou outros fluidos orgânicos. Determinadas bactérias envolvidas em processos infecciosos podem ser prontamente identificadas e classificadas através da bacterioscopia permitindo uma intervenção médica que pode ser de extrema importância para o quadro clínico do paciente até que se obtenham resultados oriundos da cultura.


O profissional de saúde microbiologista deve estar sempre atento aos aspectos revelados na bacterioscopia, sendo essencial para a obtenção de resultados precisos e em tempo hábil, permitindo melhores condições de melhoria para os principais quadros

infecciosos.


Por Denilson de Araújo e Silva

Graduando em Biomedicina pelo Centro Universitário UNINOVAFAPI

Pós-Graduando em Microbiologia Clínica pelo Instituto GPI