Corpo estético e bem-estar

O corpo além de seus conceitos biológicos está relacionado também a uma construção social, este sempre será submetido a várias transformações buscando a aceitação de determinados grupos sociais. Diante disso, o modo como enxergamos nossos corpos e como buscamos apresentá-lo é influenciado pelo modo como, socialmente, os corpos são vistos. Por conta disso, existe uma pluralidade de culturas, em que cada sociedade tem seus

costumes e sua concepção de corpo e beleza. Essa preocupação com o corpo advém desde a antiguidade e com a indústria da moda e a mídia tornou-se uma obsessão mundial. É preciso ter em mente que os cuidados com o corpo vão além da busca pelo belo, buscam-se uma vida saudável com qualidade de vida, as essa perspectiva do corpo ideal e bonito passam por transições ao longo dos séculos, onde em alguns momentos são musculosos, fortes e em outros magros e modelados, dentre tantas outras variações.


A maioria das pessoas associa a ideia de um biótipo ideal e saudável com a imagem de um corpo sarado, no entanto, a perfeição de um corpo vai muito além de parâmetros estéticos. Para desconstruir essa ideia é necessário que se tenha um pensamento crítico para perceber se tais práticas em busca do corpo perfeito são válidas e necessárias ou apenas uma obsessão que acaba levando a um culto ao corpo, gerando riscos à vida. Para outras

pessoas um corpo bonito e saudável é resultado de uma boa alimentação, exercícios físicos e qualidade de vida, sendo a beleza algo subjetivo e sujeita a interpretações. Para esses indivíduos o equilíbrio entre esses requisitos irão refletir na sua imagem, mas também na aceitação da pessoa pelo seu próprio corpo, pois muitas vezes se sentir melhor perante os outros é o que faz as pessoas buscarem o biótipo ideal.


Ao longo do tempo percebeu-se que os cuidados com a aparência, antes considerados supérfluos e somente ligados a vaidade, estão relacionados ao bem-estar, saúde e qualidade de vida. Desse modo a estética se tornou bem mais abrangente, tendo o poder de influenciar na autoestima, beneficiando em diversos aspectos da vida de uma pessoa e, mudando, a forma de se relacionar socialmente, emocionalmente e até mesmo profissionalmente. Sabe-se que a insatisfação com seu próprio corpo pode ocasionar diversos transtornos emocionais, gerando prejuízos comportamentais e psicológicos. E

são nesses casos que a intervenção estética se torna aliada e promove, consideravelmente, uma melhora na autoestima, e assim reestabelecendo o equilíbrio entre o corpo e mente.



É fundamental evidenciar que a decisão de realizar procedimentos estéticos deve ser segura e muito bem avaliada. É importante se perguntar “estou fazendo por que quero ou por que preciso?” e talvez essa seja a maior dificuldade para quem deseja melhorar sua aparência, conhecer seu próprio corpo e avaliar bem todas as suas possibilidades e então, quando essa decisão é feita corretamente os efeitos tornam-se benéficos. É sabido que a forma como nos enxergamos através do espelho é um reflexo das normas sociais, diante disso é fundamental que essa imagem harmoniosa tão almejada seja realizada somente para agradar você, o importante é sentir-se bem consigo mesmo e atrelar a isso à elevação da sua autoaceitação, autoestima e confiança. Portanto, não se deve construir uma autoimagem a partir do que a mídia ou a sociedade impõe como um ideal de beleza, pois não se deve seguir padrões somente para agradar outras pessoas.



A partir do momento que a procura por “sentir-se bem e feliz com o próprio corpo” ultrapassa uma barreira e torna-se uma busca insana pela estética perfeita, problemas mais graves podem surgir e com isso abrir caminhos para muitas doenças psíquicas relacionadas à insatisfação com o próprio corpo e vida, tais como transtorno de imagem, depressão, ansiedade e baixa autoestima. Portanto, essa realização de procedimentos estéticos não

deve estar relacionada à vaidade exagerada ou à busca por padrões inatingíveis, mas sim a tratamentos que não comprometam a saúde e melhorem a autoestima dentro dos padrões individuais de cada pessoa, uma vez que cada indivíduo possui um biótipo diferente, e trazendo assim satisfação pessoal com seu corpo e beneficiando o bem estar físico psíquico e emocional.


“As mulheres que vivem esperando o próximo creme milagroso não percebem que a beleza vem de uma felicidade secreta e de um equilíbrio interno.” (Sophia Loren).


Escrito por

Ingredy Lopes dos Santos

Biomédica

Mestre em Farmacologia

Pós-Graduanda em Saúde Estética Avançada pelo Instituto GPI



Instituto GPI

MENU

Av. Elias João Tajra,

Nº 1717 - Jóquei,

Teresina - PI,

64049-305

© Copyright 2010 - 2020  Instituto GPI Ltda ME