Cristais Urinários: O que eles revelam sobre a saúde renal?

A urina saudável possui uma composição muito bem definida. É límpida, clara e levemente amarelada. Na sedimentoscopia, podem ser observados achados normais como células epiteliais que descamam normalmente, além de muco, naturalmente produzido pelo organismo.



Em algumas situações, o organismo produz substâncias minerais ou orgânicas que possuem a capacidade de se agregar, formando cristais. Esses cristais podem se acumular principalmente nos rins, por ser um órgão de convergência entre o meio interno e as excretas líquidas derivadas do sangue, como a urina. Esses cristais são então liberados pela urina e podem ser visualizados durante a realização do EAS (Exame dos Elementos Anormais do Sedimento).


Basicamente, existem vários tipos de cristais, que são formados por substâncias

diferentes. Cada substância dessa possui (ou não) relação com algum processo de

desequilíbrio no organismo, seja devido à problemas hepáticos, distúrbios do

metabolismo ou lesões renais. Por serem constituídos por substâncias diferentes,

apresentam formas de organização estrutural diferentes que podem ser diferenciadas e

identificadas ao microscópio.


Um dos fatores que influenciam no aparecimento destes cristais na urina é o pH urinário.

O pH é um indicativo de acidez ou alcalinidade da urina. Determinados cristais são

característicos de urinas alcalinas ou ácidas, como por exemplo os cristais de urato

amorfo, uratos ácidos, uratos de sódio e ácido úrico, característicos de urinas com pH

menor que 6.


Este último cristal mencionado, o Ácido Úrico, possui uma característica bem peculiar.

O consumo de grandes quantidades de proteínas promove um catabolismo elevado das mesmas, aumentando os níveis de substâncias que formam o ácido úrico, que pode se depositar nas articulações sinoviais (causando a doença chamada Gota) ou nos rins, formando cristais visíveis na urina ácida.


Já urinas alcalinas podem apresentar cristais como os fosfatos amorfos, triplos e

o fosfato de cálcio. Eles podem estar relacionados com possíveis lesões renais que

promovem uma alteração do pH normal da urina, além da deposição destes cristais nos

rins. Em urinas de pH normal (7,0) podem surgir cristais de bilirrubina, o que pode ser

indicativo de possíveis lesões renais. A maioria destes cristais pode acabar se

acumulando e causando um problema maior em relação à saúde renal, como os cálculos

renais, que provocam fortes dores e desconforto enquanto passam pelo trato urinário.

Observar os sinais que a urina dá são essenciais para manter a saúde do organismo.

O exame dos sedimentos anormais da urina é um exame fácil, rápido, barato e muito acessível. O profissional analista clínico tem como objetivo produzir um laudo completo e descritivo para propiciar ao médico um panorama abrangente da saúde deseu paciente.