Níveis de Biossegurança para Laboratórios de Microbiologia

A Microbiologia Clínica é a área ou setor do laboratório clínico que trabalha com o diagnóstico de patologias através da coleta, cultura, identificação e classificação de microrganismos, como bactérias, fungos e até mesmo vírus. O laboratório de microbiologia é uma área diferenciada, pois as ferramentas de trabalho e o ambiente diferem do que é observado em setores como a hematologia e a bioquímica. Entretanto, muitas características entre esses setores são semelhantes, como a Biossegurança. A Biossegurança é o estudo integrativo e multiprofissional que tem como objetivo reduzir ou eliminar riscos oriundos da atividade laboral que possam oferecer riscos ao manipulador, à comunidade ao

entorno e ao meio ambiente.



Em laboratórios de microbiologia, sejam de pequeno, médio ou grande porte, a rotina é composta por amostras biológicas oriundas das mais variadas origens e portadoras dos mais variados microrganismos patogênicos. Dependendo da patologia pesquisada e dos microrganismos analisados, têm-se um risco de acidentes envolvendo o pessoal do laboratório (como analistas e técnicos), a comunidade e o meio ambiente, que podem ser provocados por falhas em protocolos de biossegurança. Além de perigosos, acidentes assim podem resultar em uma queda na confiabilidade do laboratório, pois refletem diretamente nas medidas de segurança que são tomadas desde o momento do recebimento da

amostra pelo estabelecimento.


É de acordo com a complexidade do laboratório de microbiologia, de quais microrganismos são manipulados no estabelecimento e de quais são os protocolos de biossegurança adotados nos mesmos que se pode classifica-los de acordo com os Níveis de Biossegurança (NB) estabelecidos pelos principais órgãos reguladores de atividades laboratoriais no mundo, o Center for Control Disease and Prevention (CDC) e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ao todo são quatro os níveis de biossegurança, que aumentam à medida que o laboratório apresenta maiores graus de complexidade e, consequentemente maiores riscos inerentes à atividade laboratorial.


NB – 1

O primeiro nível de biossegurança corresponde ao nível mais básico no que se refere à contenção laboratorial. Neste tipo de instalação o principal objetivo é o ensino básico dos princípios de microbiologia para alunos de nível médio, técnico e superior. São considerados laboratórios simples, com equipamentos de proteção coletiva e individual básicos, pois não oferecem riscos em grande escala para quem está neste ambiente. Em relação ao desenho do local, não são requeridos projetos complexos pois apenas a orientação em biossegurança básica se torna necessária para minimizar riscos oriundos do trabalho. Nesta classificação, os agentes biológicos de classe de risco I, que oferecem pouco ou nenhum risco para seu manipulador ou para a comunidade são os principais alvos de trabalho.


NB – 2

O segundo nível de biossegurança corresponde ao nível moderado de

complexidade e contenção laboratorial. Está relacionado principalmente à

manipulação de agentes biológicos inseridos na classe de risco II, por apresentarem

risco moderado para o manipulador e leve para a população. Laboratórios Clínicos

ou hospitalares de níveis primários se enquadram nesta categoria, pois se faz

necessária a adoção de medidas primárias de contenção biológica, como o uso de

equipamentos de proteção individual e a manipulação de agentes microbiológicos

dentro de cabines de segurança biológica, pois apresentam um sistema de exaustão

por fluxo de ar laminar. Barreiras físicas secundárias de proteção biológica também

são aplicadas através do desenho do local, que deve seguir as orientações básicas

em biossegurança no fluxo de pessoas e amostras.

NB – 3

O terceiro nível de biossegurança corresponde ao nível elevado de

complexidade e contenção laboratorial. Agregando característica da categoria

anterior, este nível está relacionado com a manipulação de organismo de risco

biológico classe 3, que possuem grave risco para o manipulador e moderado para a

comunidade. Neste tipo de instalação, que também é aplicável para o trabalho com

grandes volumes de microrganismos classe 2, é mantido um controle rígido de

biossegurança, checagem e fiscalização da qualidade e funcionamento de todos os

equipamentos e materiais do laboratório, com treinamento especializado para

profissionais que trabalham no local de acordo com o tipo de microrganismo

manipulado neste local.


NB – 4

O maior nível possível de biossegurança de um laboratório, correspondente ao mais alto grau de contenção laboratorial. Também conhecidos como laboratórios de contenção máxima, são destinados à manipulação de agentes biológicos de risco classe 4, considerados de grave risco para o manipulador e para a comunidade. Geralmente são unidades geográficas segregadas de centros urbanos e independentes, possuindo um alto padrão de qualidade em biossegurança, com equipamentos de ponta para garantir o funcionamento do laboratório, a segurança de todos os trabalhadores envolvidos e a contenção e neutralização de microrganismos manipulados dentro destas instalações. Possuem geralmente um sistema rigoroso de higienização e desinfecção de todos que entram e saem de suas instalações para que não haja transmissão de patógenos para o meio ambiente e para comunidades próximas. Agentes infecciosos como vírus de febres

hemorrágicas são um dos principais microrganismos manipulados nestes centros.


A classificação de laboratórios quanto ao seu nível de biossegurança permite o entendimento da complexidade do funcionamento de um laboratório de microbiologia. Diferentes agentes biológicos possuem diferentes características, como grau de virulência e patogenicidade, e cabe ao profissional microbiologista seguir adequadamente os protocolos de biossegurança e utilizar das melhores instalações laboratoriais para que o trabalho em bancada seja seguro não somente para gerar um resultado confiável, mas que tenha a responsabilidade de garantir segurança para todos os profissionais que trabalham naquele ambiente e para comunidades próximas e meio ambiente, agindo de forma consciente e responsável. Um profissional responsável é aquele que se preocupa com resultados mas também com o impacto de suas atividades no mundo.


Por Denilson de Araújo e Silva

Graduando em Biomedicina pelo Centro Universitário UNINOVAFAPI

Pós-Graduando em Microbiologia Clínica pelo Instituto GPI