O papel da Nutrição no tratamento das desordens estéticas

O atual consumo alimentar de diversos países, dentre eles o Brasil, vem sofrendo rápidas modificações nas últimas décadas, influenciadas pelas mudanças socioeconômicas e demográficas. Em paralelo ao aumento da ingestão de alimentos ultra processados e ricos em açúcar e aditivos químicos, a prevalência de obesidade e doenças crônicas, incluindo aquelas associada à estética, também, têm aumentado de forma alarmante em toda a população.


De acordo com os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2008-2009, o excesso de peso observado na população brasileira dobrou nos últimos 30 anos, afetando 50% dos homens e 48% das mulheres. Esse fator tem provocado um grande crescimento de desordens associadas à obesidade e à inflamação sistêmica, com destaque às alterações dermatológicas.


Para citar algumas dessas desordens estéticas além da obesidade, podemos falar da acne, o envelhecimento cutâneo, a lipodistrofia ginoide, a queda de cabelo e a síndrome das unhas fracas como sendo as principais.

Sobre o assunto, falamos com a professora Juliana Severo, nutricionista, mestra em e doutoranda em Alimentos e Nutrição (UFPI) e professora do módulo de Bioquímica, Genética e Nutrição em Estética da pós-graduação em Estética Avançada do Instituto GPI. Confira:

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS DESORDENS ESTÉTICAS?


Podemos citar várias. A obesidade tem bastante relação com isso e na verdade é uma situação multifatorial, não resultando apenas do consumo de alimentos de forma exacerbada, mas também de baixo gasto energético, baixa atividade física, situações psicológicas, e até o estresse, que é muito grande no mundo de hoje, também pode causar desordens estéticas.


Dentre essas desordens, temos o aumento da celulite, uma inflamação no tecido adiposo, principalmente na região dos glúteos. Inclusive, principalmente as mulheres procuram bastante tratamentos contra isso e tratamentos para perda de peso e uma definição corporal maior. Além disso, temos muitas situações relacionadas com a pele como o envelhecimento dessa pele no caso de quem tem maior exposição aos raios solares, formação de rugas, etc. Todos esses aspectos têm algo em comum e é isso que trabalhamos bastante na disciplina de nutrição estética.


ISSO ACABA INFLUENCIANDO NA AUTOESTIMA E QUALIDADE DE VIDA DAS PESSOAS, CERTO?


Sim, certamente são aspectos que influenciam na qualidade de vida. A pessoa precisa estar se sentido bem e às vezes essas insatisfações com a aparência, presença de celulite, ou um peso corporal aumentado, por exemplo, podem influenciar muito na autoestima, mas sempre lembramos que não só o tratamento estético, mas também todo o processo em relação ao tratamento psicológico e nutricional tem que ser acompanhado para termos uma melhora de quadro geral.

SE FAZ NECESSÁRIO, ENTÃO, UM TRABALHO INTERDISCIPLINAR, CERTO?


Sim, precisamos desse apoio dos demais profissionais. Haverá o profissional da estética, um fisioterapeuta, às vezes um próprio cirurgião plástico, um nutricionista, porque para todos os tratamentos estéticos se não tiver um cuidado com a alimentação acaba que o tratamento não será tão eficaz ou haverá uma compensação ou volta para o estado inicial então isso acaba interferindo no curso do tratamento. O suporte psicológico e do profissional de educação física também são fundamentais para oferecer o cuidado ao paciente. É um trabalho em conjunto, por isso, nossa pós-graduação é voltada para profissionais de outras áreas também.


CADA TIPO DE DESORDEM NECESSITA DE UM TIPO DE ACOMPANHAMENTO POR PARTE DO NUTRICIONISTA, CERTO?


Exatamente. Na nutrição levamos em consideração a individualidade do paciente, pois também levamos em consideração diversos contextos. Eles podem chegar com diferentes desordens estéticas, doenças diferentes, usar medicamentos diversos, podem estar inseridos em diversas camadas sociais, ter vários hábitos alimentares, culturais e sociais, diferentes religiões, etc.


Todos esses aspectos o nutricionista leva em conta considerando se há uso de medicamento, para que não haja interações entre suplementos e os diferentes tratamentos que podem ser oferecidos. Tudo deve ser considerado para que os resultados sejam satisfatórios.


AS DESORDENS ESTÉTICAS PODEM SER TAMBÉM TRABALHADAS POR OUTROS PROFISSIONAIS DA SAÚDE?


Sim, mesmo que o profissional não seja da nutrição, ele terá que indicar um profissional. Essa interdisciplinaridade deve acontecer e o paciente só terá ganhos. Também existem orientações básicas de nutrição e saúde que podem ser oferecidas por qualquer profissional da saúde, seja incentivando o consumo de vegetais, de fibras e frutas, no sentido de uma alimentação natural e claro recomendar a procura de um profissional habilitado para fazer orientação individual e específica para aquele paciente.


SUPER IMPORTANTE ISSO QUE VOCÊ ESTÁ FALANDO DA PROCURA DO PROFISSIONAL HABILITADO. FALANDO NISSO, COMO ESTÁ O NOSSO MERCADO DE TRABALHO? TEMOS PROFISSIONAIS QUE HUMANIZAM SEUS ATENDIMENTOS?


Temos sim, inclusive, um dos pontos principais que discuto em minhas aulas é a relação do cuidado com os pacientes e como eles enxergam a alimentação. Isso não é algo simples.


Uma má alimentação ou uma alimentação mal prescrita ou mal orientada pode causar danos sérios para o resto da vida do paciente, então é importante que os profissionais tenham cuidado, por exemplo, com possíveis suplementação que podem ser passadas por outros profissionais da saúde e demais.

Nessa perspectiva, os profissionais atualmente estão preocupados em oferecer um cuidado e visão humanizada nos seus atendimentos. Estão cada vez mais entendendo que a alimentação é algo que tem interferência de diversos fatores, inclusive fatores psicológicos, e a relação com a estética tem sido também cada vez mais discutida.


No vídeo abaixo, assista a entrevista na íntegra sobre "O papel da Nutrição no tratamento das desordens estéticas" Por Nehemias Lima - Jornalista.