Os benefícios do peeling: muito mais que uma boa aparência

Uma pele lisinha, bonita, cheia de saúde e de causar inveja. Esse é o sonho da maioria das mulheres que tem vaidade e se preocupam em manter com a beleza em dia. Não só mulheres, os homens também estão cada vez mais vaidosos. Por isso, o peeling vem sendo tão procurado, já que é um procedimento que visa à melhora de marcas, manchas, rugas e envelhecimento precoce da pele.


O tratamento funciona através de esfoliações ou aplicações de substâncias químicas capazes de corrigir as imperfeições da pele. Ele provoca uma descamação nas camadas da pele e a consequente eliminação das células mortas e aparecimento de uma nova camada.

O peeling pode ser realizado em qualquer época do ano, embora seja mais indicado no inverno, para que o excesso de sol não atrapalhe a recuperação da pele.


Nesses casos, o uso de filtro solar é mais do que recomendado. Além do tratamento de manchas, acne e rugas, os peelings são utilizados também, no tratamento de cicatrizes, poros abertos e flacidez.


Conversamos sobre o assunto com a biomédica esteta Regiane Carvalho que possui certificação internacional, é especialista em Estética Facial e coordenadora da pós-graduação em Saúde Estética Avançada do Instituto GPI.


O QUE EXATAMENTE É O PEELING?


O peeling é um procedimento que provoca uma regeneração celular, e assim, ele tem diversas funcionalidades, podendo trabalhar rugas, manchas, cicatrizes, linhas de expressão, etc. Ele provoca uma certa agressão na pele, uma agressão pequena e controlada. Existem as formas mais brandas (peelings superficiais) até os peelings médios e mais profundos (peelings químicos).


Por isso, ele tem muitas funcionalidades. Em manchas, por exemplo, ele tira a pele machucada, velha e morta que está na superfície, podendo chegar a uma camada mais profunda, provocando uma reação maior e controlada, provocando a pele para que ela produza um novo tecido, o que chamamos de regeneração celular.

EXISTE UMA ÉPOCA CERTA DO ANO PARA A REALIZAÇÃO DESSE PROCEDIMENTO?


Estamos numa excelente época para fazer peeling, pois quando falamos em peeling, estamos em busca de uma pele nova e uma pele nova precisa ser bem cuidada. Um dos fatores que agride a pele é o sol, por isso essa época do ano é indicada, quando o sol está menos aparente.


Entretanto, continuamos sugerindo o uso de protetor solar ou até mesmo que o paciente evite a exposição à luz do sol após a realização do procedimento.


EXISTE IDADE APROPRIADA PARA SE SUBMETER AO PEELING QUÍMICO?


Não existe idade certa, esse é um procedimento que pode ser feito em qualquer fase da vida. O que acontece é que muitas pessoas utilizam o peeling juntamente com limpezas de pele, principalmente na fase da adolescência, pois existem peelings que tratam a oleosidade e também são utilizados no tratamento de acne, por exemplo.


Existem os peelings físicos que atingem camadas superficiais da pele, mas também existem os peelings químicos que conseguem penetrar na pele e trabalhar determinadas disfunções estéticas.


Então, os adolescentes, por exemplo, podem e devem utilizar bastante do peeling para tratar e controlar esse processo inflamatório da acne e fechar os poros.


Na chamada juventude, ou também já com a pele madura na fase adulta, entre 20 e 40 anos, o peeling é super indicado e também conseguimos fazer uma renovação muito boa numa pele de 50, 60 e 70 anos. Além de ser seguro, é um procedimento que abrange todas as faixas etárias. Inclusive, é sempre bom fazer essas renovações na pele, pelo menos 3 vezes ao ano.


QUEM NÃO PODE OU NÃO DEVE SE SUBMETER AO PEELING?


Primeiramente, devemos fazer uma anamnese, avaliar o paciente, entender a expectativa dele em relação ao procedimento para podermos entrar um resultado efetivo. Pacientes com determinadas patologias não podem fazer peeling. Quem tem melasma, por exemplo, deve ter muito cuidado com certos tipos de peeling.


Mas tudo isso deve ser analisado na anamnese onde inclusive iremos elaborar os protocolos para realizar o procedimento no paciente. São poucas as contraindicações para o peeling.


NA HORA DA APLICAÇÃO, HÁ ALGUMA DOR, SENSAÇÃO DE ARDÊNCIA OU QUEIMAÇÃO?


A sensibilidade é algo muito individual, mas não há nenhum tipo de dor. Quando colocamos um produto químico na pele do paciente, se a pele já estiver sensível ou com algum dano, é possível que ele sinta certa ardência e muitas vezes usamos mecanismos de ventilação para deixar essa ardência mais amena e logo após é fundamental que ele tenha uma boa hidratação


E para isso, utilizamos hidratantes reparadores que irão potencializar a recuperação dessa pele e, claro, aumentar o uso do protetor solar, e usá-lo pelo menos a cada duas horas, senão podemos ter até um efeito rebote, uma hiper pigmentação e em vez de cuidarmos das manchas, podemos causar novas lesões ou manchas.


ENTÃO NÃO É QUALQUER PESSOA QUE PODE APLICAR UM PEELING NAS PESSOAS, CERTO?


É super importante que seja um profissional capacitado e que entenda qual o processo que vai acontecer naquela pele. Existem peelings superficiais que podem ser feitos por esteticistas capacitados para realizar tais procedimentos, já os peelings médios e químicos, que atingem outras camadas da pele, a pessoa precisa de um especialista em saúde estética avançada, até mesmo para poder lidar com possíveis intercorrências.


Intercorrências essas que raramente acontecem, mas quando ocorrem, são por falta de cuidado ou até podem ocorrer por falta de orientação do profissional.


EM RELAÇÃO À MANUTENÇÃO, ESSAS IDAS E VINDAS AO CONSULTÓRIO DEVEM OCORRER PELO MENOS 3 VEZES AO ANO EM TODOS OS CASOS?


Depende muito da finalidade do peeling. Pessoas em tratamento de acne ou oleosidade da pele, talvez precisem de muito mais que três sessões anuais, mas pessoas que fazem uso do peeling para rejuvenescimento e regeneração celular, muitas vezes têm que provocar a pele em determinados períodos do ano, por exemplo, a cada seis meses, e devem conjugar o peeling com a toxina botulínica, com preenchimento ou outros procedimentos.


O que irá nortear a frequência com que o peeling deve ser feito é o tipo de pele, o envelhecimento dessa pele, se ela tem mancha, ou acne, etc. Cada tipo de paciente terá um tipo de protocolo.


O peeling faz a renovação celular então no mínimo, três vezes ao ano, a pessoa deve olhar para a sua pele com carinho e cuidar dessa pele. Assim, conseguiremos entregar um resultado de uma pele bem cuidada, nutrida viscosa e saudável.


O PEELING VEIO PARA FICAR, ENTÃO?


Sim. Para quem não quer passar por procedimentos mais invasivos, injetáveis, o peeling é uma ótima opção. Eu sou muito fã desse procedimento que é um coringa nas clínicas, podendo ser usado em vários tipos de situações e pacientes.


Conseguimos fazer inclusive em gestantes. Para quem é profissional da saúde, vale a pena se aprofundar no assunto e para quem tem curiosidade ou vontade, os resultados são muito satisfatórios. Vale a pena!


No vídeo abaixo, assista a entrevista na íntegra sobre "Os benefícios do peeling: muito mais que uma boa aparência" Por Nehemias Lima - Jornalista.