Tecnologia avançada na hematologia: o futuro começa agora

A tecnologia muda a forma como as pessoas interagem com o mundo. Ao introduzir mais transparência entre pessoas e negócios, os avanços tecnológicos trazem uma nova experiência imersiva para todos.


Na área da saúde acontece o mesmo. Falando da hematologia, mais especificamente, os principais avanços científicos e tecnológicos são as principais causas de mudanças na prática da moderna hematologia, influindo especialmente no diagnóstico laboratorial e nos procedimentos terapêuticos de algumas patologias com destaques para anemia falciforme, hemofilias e leucemias.


O crescimento das aplicações tecnológicas que resultaram na automação dos laboratórios, além de produzir maior grau de reprodutibilidade dos resultados de exames e rapidez nas suas determinações, avançou para um grau de especificidade tal que deverá exigir dos médicos e dos profissionais de laboratórios constantes atualizações.


Sobre esse assunto, conversamos com o professor Marcos Fleury, farmacêutico e bioquímico pela UFRJ, mestre e doutor em genética humana pela mesma instituição, coordenador da Comissão Científica do Congresso Brasileiro de Análises Clínicas – SBAC, assessor científico do PNQC na área de hematologia e também atua como professor associado de Hematologia na Faculdade de Farmácia da UFRJ. Confira:


QUAIS TÊM SIDO AS PRINCIPAIS APLICAÇÕES DE NOVAS TECNOLOGIAS QUE DEVERÃO SER ADOTADAS RAPIDAMENTE PELA MODERNA HEMATOLOGIA LABORATORIAL?


Essas tecnologias que têm surgido são principalmente na área da fluorescência. A fluorescência trouxe um avanço muito grande para os equipamentos de hematologia, tanto na avaliação de série vermelha, quanto na avaliação de leucócitos e plaquetas. Ela trouxe a possibilidade de identificação de formas mais jovens das células, de formas imaturas de leucócitos, determinação de pacientes com septicemia de forma mais precoce, avaliação de recuperação medular, pacientes transplantados, etc.


É necessário que os colegas que trabalham no laboratório conheçam essas tecnologias e saiba interpretá-los para poder conectar de maneira mais eficiente, com o corpo clínico e auxiliar a qualidade de vida e o tratamento do paciente.

DE ONDE VEM ESSA TECNOLOGIA E ESSES ESTUDOS?


Os principais fabricantes de equipamentos hematológicos estão fora do Brasil. Existem hoje grandes fabricantes japoneses, muito fortes no mercado, e os orientais também estão muito atuantes.


Esses equipamentos estão disponíveis no Brasil de maneira tranquila. Os distribuidores atendem o Brasil inteiro, então não temos dificuldade em adquirir os equipamentos nem na manutenção, o que é muito importante. Hoje não importam as marcas dos equipamentos, mas sim, onde você está e quem atende bem na sua região.


As empresas têm equipamentos de qualidade e para rotinas diferentes, então escolher o equipamento é como escolher um automóvel, você escolhe de acordo com seu gosto e rotina.


AS NOSSAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS ESTÃO PREPARANDO BONS PROFISSIONAIS?

Apesar do período difícil que estamos enfrentando de crise econômica no país e, inclusive, da pandemia, e a qualidade do ensino universitário no Brasil ter sido afetada, seja no âmbito público ou privado, as universidades estão tentando se adaptar para que os alunos consigam entrar em contato com essas tecnologias.


As universidades estando ligadas aos órgãos de saúde como hospitais universitários e santas casas, esses lugares têm laboratórios que estão equipados. O estágio supervisionado por exemplo, possibilita o contato com os equipamentos necessários.


É importante destacar aos colegas que se interessam por essa área que a iniciativa pessoal é muito importante. É preciso que o aluno busque um estágio para iniciar a carreira no laboratório ou científica. E lembrem-se que é um caminho sem volta e sem fim. Devemos sempre estudar e investigar as tecnologias novas.


TUDO ISSO REFLETE NA QUALIDADE DE VIDA DA SOCIEDADE, CERTO?


Com certeza. A área da saúde está intimamente ligada à qualidade de vida e, hoje em dia, a qualidade de vida se tornou uma disciplina independente dentro da área da saúde. Hoje se pensa em cuidar e tratar dos pacientes mantendo a qualidade de vida.


Na hematologia, sabemos que existem doenças graves e inexoráveis, sem cura, e o que resta o corpo clínico acompanhar o paciente durante sua trajetória e precisa-se manter a sua qualidade de vida.


Os equipamentos que eram caros anteriormente, hoje estão acessíveis, então um posto de saúde bem modesto pode ter equipamentos modernos que possam oferecer aos pacientes resultados que impactam na qualidade do atendimento e qualidade de vida. Isso é bom para o profissional e para o paciente.


OS PROFISSIONAIS ESTÃO ACOMPANHANDO ESSES AVANÇOS? TEMOS PROFISSIONAIS COM TRABALHO HUMANIZADO ATUALMENTE NO MERCADO?


Sim, na área da saúde, a busca por cursos de aperfeiçoamento, por exemplo, aumentou. Os cursos de pós-graduação e especialização estão bem concorridos. Vejo um crescimento de consciência das pessoas em buscar conhecimento, valorização profissional, atualização das tecnologias, sempre buscando maior relação com nosso público que são dois: o paciente e o médico que nos solicita os exames.


Vejo que estamos começando a nos preocupar mais com os programas de gestão de pessoas, gestão laboratorial, e que vão aperfeiçoar essa conscientização do profissional em relação ao seu papel na sociedade. Estamos mais preocupados com o bem-estar das pessoas.


No vídeo abaixo, assista a entrevista na íntegra sobre "Tecnologia avançada na hematologia: o futuro começa agora" Por Nehemias Lima - Jornalista.